sexta-feira, 13 de abril de 2007

Tecido Nervoso

O tecido nervoso é dividido em:

- Sistema Nervoso Central (SNC): formado pelo encéfalo e medula espinha




- Sistema Nervoso Periférico (SNP): formado pelos nervos e gânglios nervosos (pequenos agregados de células nervosas).
















O tecido nervoso é constituído por dois componentes principais:

1) Neurônios: células que geralmente possuem longos prolongamentos, que têm a capacidade de responder a estímulos com a modificação do potencial elétrico de suas membranas – impulso nervoso.
Legenda:
1 – Soma ou corpo celular, onde se vêem inúmeros corpúsculos de Nissl
2 – Núcleo, contendo material genético (DNA) necessário ao metabolismo
3 – Axônio (apontando para a membrana axonal)
4 – Axoplasma (citoplasma do axônio, ligado a mecanismos de transporte
5 – Bainha de mielina
6 – Nó ou nodo de Ranvier
7 – Dendritos somáticos
8 – Telodendro (e dendritos terminais ou telodêndricos)
9 – Região do cone de implantação


Em geral, têm três componentes, que são :


































Dendritos – prolongamentos numerosos que têm a função de receber os estímulos.
Corpo celular ou pericário - é onde se localiza o núcleo. É o centro trófico da célula. Também é capaz de receber estímulos.

Axônio – prolongamento único, cuja função consiste em conduzir os impulsos que transmitem informações do neurônio para outras células (nervosas, musculares, glandulares).

Os neurônios dividem-se em:

Neurônios multipolares: possuem mais de dois prolongamentos celulares;

Neurônios bipolares: apresentam um dendrito e um axônio;

Neurônios pseudo-unipolares: têm próximo ao corpo celular um único prolongamento, mas que se divide em dois, originando um ramo para a periferia e outro para o sistema nervoso central.
A imensa maioria dos neurônios é multipolar. Os neurônios bipolares podem ser encontrados em locais como os gânglios coclear e vestibular, a retina e a mucosa olfatória. Já os neurônios pseudo-unipolares encontram-se nos gânglios espinhais, que são gânglios sensitivos localizados nas raízes dorsais dos nervos espinhais.

Há também uma classificação neuronal quanto às suas funções, que é a seguinte:


Neurônios motores: que controlam órgãos efetores, como fibras musculares e glândulas exócrinas e endócrinas. São encontrados nos cornos anteriores da medula.

Neurônios sensoriais: que recebem estímulos sensoriais do meio ambiente e do próprio organismo. São localizados nos gânglios.

Neurôrios pseudo-unipolares: que estabelecem conexões entre os neurônios, formando circuitos complexos. São encontrados nos cornos posteriores da medula.



2) Neuroglia ou Células da Glia: sustentam os neurônios e participam de atividades relacionadas à nutrição, à reprodução e à defesa do tecido nervoso.
Astrócitos: são as maiores células da neuroglia. Possuem núcleos esféricos centrais e diversos prolongamentos. Constituem a barreira hematoencefálica. Os astrócitos também enviam seus prolongamentos à superfície dos órgãos do SNC (encéfalo, medula), onde formam uma camada na superfície do tecido nervoso, logo abaixo da pia-máter. Podemos distinguir os astrócitos, nos seguintes tipos:

* Astrócito protoplasmático – na substância branca.
* Astrócito fibroso – na substância cinzenta.
* Astrócito misto – na zona de transição entre as duas substâncias (branca e cincenta).
Oligodendrócitos: são menores e possuem poucos prolongamentos. Situam-se tanto na substância branca como na cinzenta. Nesta, localizam-se preferencialmente próximo aos corpos celulares dos neurônios, constituindo células satélites, que formam uma relação simbiótica com esses neurônios. Já na substância branca, os oligodendrócitos estão organizados em fileiras, entre as fibras nervosas,e produzem a mielina do SNC. Os oligodendrócitos são vistos como células mais escuras na micrografia eletrônica, pelo fato de seus citoplasmas possuírem mais organelas que as outras células da neuroglia.




Microglia: suas células são macrofágicas, fazendo parte do sistema mononuclear fagocitário. O corpo dessas células é pequeno e alongado, com núcleo denso e também alongado. Pouco numerosas, com prolongamentos curtos e cobertas por saliências finas, conferem à essas células um aspecto espinhoso. Localizam-se tanto na substância branca quanto na cincenta.




Células ependimárias: São células cilíndricas, com a base afilada e diversas vezes ramificada, que originam prolongamentos que se dispõe no interior do tecido nervoso. São células que possuem um arranjo epitelial e que revestem as cavidades do encéfalo e da medula, e conseqüentemente, estão em contato com o líquido cefalorraquidiano, que é encontrado no interior dessas cavidades.



Célula de Schwann: é um tipo de célula gial que produz a mielina que envolve os axônios dos neurônios do sistema nervoso periférico, permitindo a propagação rápida de potenciais de ação. Desempenham a mesma função na periferia que os oligodendrócitos desempenham no sistema nervoso central.
Cada célula de Schwann envolve um segmento de um axónio, enrolando-se em volta deste e de si própria. A sua membrana celular contém lipídeos e glecoproteínas produzidas na célula com propriedades especificas para as necessidades de isolamento dos neurónios. O corpo celular, onde se localiza o núcleos e organelas produtores dos componentes da membrana (a mielina) fica limitado à periferia.
A região do axónio entre duas células de Schwann que não está envolvido por nenhuma dela é o Nodo de Ranvier . Este mecanismo permite a rápida do potencial de ação, o que leva a grandes ganhos de velocidade e de energia. As regiões de citoplasma que além disso a célula também produz factores de crescimento e permito a nutrição eficaz do segmento do axónio que isola.



Substâncias branca e cinzenta: O Sistema Nervoso Central é formado por estruturas que apresentam essas substâncias. A substância branca tem esse nome justamente pela coloração que apresenta devido a grande quantidade de fibras mielínicas que apresenta. Além destas, a substância branca também apresenta oligodendrócitos, astrócitos fibrosos e células da microglia. Já na substância cinzenta se encontram corpos de neurônios, abundante número de fibras amielínicas, algumas fibras mielínicas, oligodendrócitos, astrócitos protoplasmáticos e células da microglia.




CÓRTEX CEREBRAL: é constituído de substância cinzenta. Em cortes histológicos perfeitamente perpendiculares ao córtex encontramos normalmente seis camadas, diferenciadas pelo tipo e disposição de suas células.














CÓRTEX CEREBELAR: o cerebelo está relacionado com as funções de equilíbrio, de tônus muscular e de coordenação motora somática. Possui um "centro" de substância branca (centro ou corpo medular). Deste corpo medular, irradiam-se os lóbulos cerebelares, que são revestidos por substância cinzenta, o córtex cerebelar. A substância cinzenta também pode ser encontrada no cerebelo, além de no córtex cerebelar, em quatro pares de núcleos no interior da substância branca, os núcleos denteado, fastigial, emboliforme e globoso. O córtex cerebelar é formado pelas seguintes camadas, da mais externa para a mais interna:

Camada molecular
Camada das células de Purkinje
Camada granulosa

Um comentário:

francieli disse...

faça as coisa mais claras!